Estado: Em Foco Podcast entrevista o administrador Henrique Mattos

Empresrio CEO da VIPH Informtica.

Em seus horrios fora da escola, estava sempre fazendo cursos na rea de tecnologia, como web designer, manuteno e tcnico em redes de computadores, photoshop entre outros. (Foto: Divulgao)

Em Foco Podcast entrevista Henrique Mattos, Ceo da VIPH Informática, empresa localizada em Biguaçu, que está no mercado desde 2019 e que possui uma variedade de produtos de alta qualidade, parcerias com grandes fornecedores e consultores qualificados.
Formado em Administração de Empresas, Henrique Mattos tem mais de 25 anos de experiência com tecnologia da informação. Natural de São Leopoldo, veio morar em Santa Catarina aos seis anos de idade, é casado com Patrícia, pai da Victoria e da Isadora e escolheu morar em Biguaçu após o casamento.
Durante toda sua vida educacional, sempre foi muito incentivado pelos pais. Em seus horários fora da escola, estava sempre fazendo cursos na área de tecnologia, como web designer, manutenção e técnico em redes de computadores, photoshop entre outros. 
Henrique começou a trabalhar no Beira Mar Shopping, em Florianópolis, em uma loja autorizada da Apple. De lá, foi para uma fábrica de computadores e, em seguida, virou representante de grandes marcas por todo o Estado de Santa Catarina. 
“Durante a faculdade, eu fiz dois planos de negócios, um que era público e fiz um plano de negócio que se tornou, hoje, a minha empresa”, explica. A empresa possui mais dois sócios, um que é diretor da parte industrial, outro que é focado mais no setor público e Henrique, que é o Ceo e o diretor comercial, com faturamento de quase um milhão nos oito primeiros meses.
Porém, pouco tempo após abrir a empresa, veio a pandemia. Era preciso abastecer de equipamentos para dar continuidade nas vendas de informática. O jeito, foi improvisar, e eles passaram a comercializar de tudo, desde equipamento musical até capa de violão e microondas.
“Só que essa foi uma estratégia que quase deu errado porque a gente começou a vender coisas que a gente não sabia e, no e-commerce, tem muito golpe. As pessoas compram e que tem a lei do arrependimento, que são sete dias para devolução. As pessoas compravam, utilizavam e depois devolviam. E nós ficávamos com material na loja que não poderíamos mais vender depois”, confessa. Foi quando decidiram voltar ao plano inicial e focar nos computadores.
Após algum tempo, a loja, que funcionava nos fundos da garagem do sogro de Henrique, em São José, ficou pequena e eles tiveram que ampliar o espaço. 
Aproximadamente um ano e meio depois, a empresa havia virado uma fábrica de computadores com peças homologadas e marca registrada.
“Uma loja de informática ou uma empresa de informática, vai hoje no distribuidor comprar uma placa mãe e um processador, uma memória e um gabinete. Vai lá e monta para o cliente, só que ele não consegue dar uma homologação, uma continuidade na linha de produção. Nós não, nós compramos em escala industrial. Montamos em escala Industrial. Temos padronização de máquina para o nosso produto. Já temos esses fornecedores homologados”, explica.
Hoje, a VIPH monta cerca de mil computadores por mês, com venda exclusivamente online. 
“Hoje, eu tenho uma linha completa de monitores que vai do monitor de 19,5 e 21,5 e 24, daí entra na linha Gamer com 27 e 34 polegadas todos. Entrego com a minha marca monitores com ajuste ou sem ajuste de altura, com displayport, os monitores Gamer tem alta taxa de frequência. Então, a gente tem uma linha completa fora os computadores”, orgulha-se, falando ainda sobre a ideia de abrir cinco lojas por Palhoça, São José e Florianópolis. A partir daí, o plano é abrir franquias.


WhatsApp